conecte-se conosco


CIDADES

NORTELÂNDIA: MP pede condenação de produtor rural ao pagamento de R$ 12 milhões

Valor é referente compensação por danos morais coletivos

Publicados

em

A Promotoria de Justiça de Nortelândia (a 253km de Cuiabá) requereu a condenação de um produtor rural ao pagamento de R$ 12.386.181,37, a título de compensação pelos danos morais coletivos provocados em razão do exercício de atividade agropecuária potencialmente degradadora ao meio ambiente, sem autorização do órgão competente. Ele é acusado de desmatar 522,9296 hectares de vegetação nativa sem autorização, bem como de explorar atividade pecuária sem licença.

A Ação Civil Pública (ACP) ambiental foi ajuizada na quinta-feira (27). De acordo com o Ministério Público, a princípio o proprietário foi notificado para que providenciasse Autorização Provisória de Funcionamento de Atividade Rural (APF), em novembro de 2018. Contudo, em nova vistoria realizada em janeiro de 2019, a equipe de fiscalização verificou que a documentação não havia sido apresentada. Assim, foi aplicada multa administrativa no valor de R$ 25 mil, lavrado termo de embargo da área e encaminhado relatório à Promotoria com as informações.

A Promotoria de Justiça de Nortelândia então solicitou ao Centro de Apoio Operacional (Caop) do MPMT a análise da ocorrência de danos ambientais, sua extensão e indicações de recuperação ou medidas aplicáveis ao caso. O Caop “constatou que o imóvel rural de propriedade do requerido deveria ter no mínimo 792,7370 hectares correspondentes a área de reserva legal, o que corresponde a 80% de sua área total, entretanto possui um passivo ambiental de 522,9296 hectares”.

Leia Também:  Policiais Militares e Agentes Sanitários fecham Bar em Rosário Oeste

Ainda segundo levantamento do Caop, do total do passivo ambiental, “173,141 hectares devem, por obrigação, ser recuperados no próprio imóvel, mediante apresentação de Plano de Recuperação de Área Degradada (Prad), ou adesão ao Programa de Regularização Ambiental (PRA)”. Foi verificado inclusive que o Termo de Embargo foi descumprido pelo requerido, bem como que não havia atividade de pecuária que caracterizasse ser de confinamento, mas sim pecuária extensiva.

Segundo o promotor de Justiça José Jonas Sguarezi Junior, “percebe-se que a realização de um desmatamento, assim como funcionamento da atividade de pecuária sem licença ou autorização legal, são atos lesivos ao meio ambiente, vez que a não observância dos procedimentos que seriam realizados com a licença necessária traz inúmeros prejuízos, dentre eles a ausência de preservação da fauna”.

Dessa forma, o promotor considerou “incontestável e absolutamente necessária” a responsabilização civil do produtor, com a obrigatoriedade de completa reparação dos prejuízos causados ao meio ambiente”. Assim, solicitou também que seja determinada a recuperação e regularização da área desmatada, bem como da exploração de atividade econômica pelos órgãos ambientais competentes.

Leia Também:  Após leve redução na soja, Diamantino/MT espera bons rendimentos no milho

Indenização – A aferição do dano ocorrido foi baseada na Orientação Técnica desenvolvida pela Procuradoria de Justiça Especializada em Defesa Ambiental e Ordem Urbanística do MPMT. Neste caso, observou-se que o desmate foi realizado em área de reserva legal (RL), mediante corte raso, revolvimento do solo e implantação de cultura (pastagem para a atividade de pecuária). “Tendo em vista os parâmetros condicionantes constantes na orientação técnica mencionada (…), chegamos ao valor do dano equivalente a R$ 23.686,14 por hectare. Assim, considerando que foram 522,9296 hectares desmatados, a quantia total para indenização perfaz-se em R$ 12.386.181,37”, consta na ação.

Fonte: Assessoria MP-MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CIDADES

Acorizal recebe R$ 100 mil de emenda da deputada Rosa Neide para assistência social

Ela ressaltou que encaminhou a emenda atendendo ao pedido da militância do PT local.

Publicados

em

Por

Assessoria

O município de Acorizal recebeu R$ 100 mil de emenda da deputada federal Professora Rosa Neide (PT). O recurso foi depositado na conta da prefeitura em 22 de junho. A verba é para compra de um veículo para a Secretaria Municipal de Assistência Social.

Professora Rosa Neide destacou ser motivo de orgulho poder destinar recursos federais para investimentos nos municípios de Mato Grosso. Ela ressaltou que encaminhou a emenda atendendo ao pedido da militância do PT local.

“As companheiras e companheiros do PT de Acorizal solicitaram a emenda e fiz a indicação. Que esse veículo possa auxiliar nos trabalhos da Secretaria junto à população da zona urbana e rural. Tenho compromisso de enquanto estiver como deputada, seguir apoiando o município”, disse Rosa Neide.

 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Polícia recupera veículo roubado em Poconé circulando em Cuiabá
Continue lendo

CIDADES

MATO GROSSO

POLICIAL

POLÍTICA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA

Add this code where the ad should appear:
Add this code before the tag: