conecte-se conosco


CIDADES

Mulher teve Whatsapp clonado em Acorizal

O suspeito estava se passando por ela e pedindo para depositar dinheiro em uma conta

Publicados

em

Uma mulher identificada com o nome de Débora procurou o Núcleo da Polícia Militar de Acorizal na tarde do dia 22/12/2020, para denunciar que o seu aplicativo de Whatsapp havia sido clonado e que os seus contatos estavam recebendo mensagem dizendo para depositar certa quantia em dinheiro em uma conta.

Ela relatou para os policiais que o suspeito estava se passando por ela e pedindo para depositar em uma conta uma quantia de 1.400 reais.

Alguns contatos da vítima entraram em contato com ela para verificar a veracidade e porque estava precisando de dinheiro.

Nesse momento ela descobriu o golpe e constatou que o seu aplicativo de Whatsapp foi clonado.

O Boletim de Ocorrências foi registrado pelos Policiais Militares e encaminhado para a delegacia para que fossem feitas as investigações do crime.

Por Manoel Netto – Pagina1

 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Cadeia Pública de Nova Mutum é desativada e 138 reeducandos são transferidos para capital
Propaganda

CIDADES

Cuiabá é uma das capitais mais perigosas para as mulheres

Quanto ao crime de feminicídio, em 2021, Cuiabá tem a 4ª maior taxa do país, ficando ao lado de Brasília (DF), com 1,6 casos a cada 100 mil habitantes.

Publicados

em

Por

Cátia Alves – Estadão MT

Cuiabá é uma das capitais mais perigosas do Brasil para quem é mulher. Segundo dados do Anuário Estatístico da Segurança Pública 2022, a capital de Mato Grosso é a segunda com maior percentual de casos de violência doméstica, com 461,3 casos a cada grupo de 100 mil habitantes. Além disso, Cuiabá aparece em terceiro lugar entre as capitais com maior incidência de casos de estupro.

Divulgados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, os dados mostram que Porto Velho, em Rondônia, é a capital com maior percentual de casos de violência doméstica. A taxa de casos lá é de 464,3 para cada 100 mil habitantes. No país, a taxa média é de 172,3. Quando observamos que Cuiabá aparece em segundo, percebemos que as chances de ser vítima de violência doméstica são três vezes maiores aqui do que na média nacional.

Quanto ao crime de feminicídio, em 2021, Cuiabá tem a 4ª maior taxa do país, ficando ao lado de Brasília (DF), com 1,6 casos a cada 100 mil habitantes. Houve uma queda de 17,4% em relação a 2020, quando a taxa era de 1,9 casos a cada grupo de 100 mil habitantes.

Leia Também:  Cadeia Pública de Nova Mutum é desativada e 138 reeducandos são transferidos para capital

Feminicídio é o assassinato de uma mulher cometido devido ao fato de ela ser mulher ou em decorrência da violência doméstica. Foi inserido no Código Penal como uma qualificação do crime de homicídio em 2015 e é considerado crime hediondo.

Igualmente hediondo é o crime de estupro. Neste quesito, Cuiabá aparece em terceiro lugar, atrás de Campo Grande (MS) e Macapá (AP). Na capital mato-grossense, a taxa de estupros é de 54,8 casos a cada 100 mil habitantes, quase o dobro da média nacional, que é de 25,8 a cada 100 mil.

ONDE BUSCAR AJUDA

Além do conhecido disque 180, que é nacional e específico para atendimento às vítimas femininas, há também os telefones de emergência de abrangência estadual, como o 181, 190 e 197.

Em Mato Grosso, o aplicativo ‘SOS Mulher MT’ conta com um ‘botão do pânico’ criado para ajudar vítimas de violência doméstica. O recurso permite que as vítimas registrem denúncias em 30 segundos no Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp).

Leia Também:  JANGADA: PM usa helicóptero e impede tentativa de roubo de fazenda

Pelo aplicativo, a vítima faz um pedido de socorro quando o agressor descumprir a medida protetiva. Depois de acionar o botão, o Ciosp envia a viatura mais próxima em socorro à vítima.

COMBATE

Neste mês, o governador Mauro Mendes (União) sancionou a lei do Dia de Combate à Violência contra a Mulher e ao Feminicídio. Ficou instituído o dia 25 de novembro, mesma data escolhida pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher.

Após a aprovação da lei, os órgãos públicos estaduais deverão intensificar ações e políticas de combate à violência contra a mulher como: Difusão de informações sobre o combate ao feminicídio; Promoção de eventos para o debate público sobre o combate à violência contra a mulher; Apresentação de práticas de conscientização, prevenção e combate ao feminicídio; Mobilização da comunidade para a participação nas ações de prevenção ao feminicídio; Divulgação de iniciativas, ações e campanhas de combate ao feminicídio e violência contra a mulher.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

MATO GROSSO

POLICIAL

POLÍTICA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA

Add this code where the ad should appear:
Add this code before the tag: