conecte-se conosco


CIDADES

Mulher é atacada por piranhas no Lago do Manso; filha acusa restaurante de falta de informações

Publicados

em

Uma mulher de 46 anos foi atacada por piranhas no Lago do Manso, na região do restaurante Trapiche Xaraés, e teve parte do dedinho do pé arrancado. O fato aconteceu no último da 14 de dezembro, mas a filha dela, Isadora Campos, publicou uma reclamação recentemente no grupo “Aonde não ir em Cuiabá”. Segundo ela, não havia placas informando do perigo, e sua família foi orientada a ficar dentro de uma grade de proteção onde, mesmo assim, sua mãe foi atacada pelo peixe.

Isadora não mora em Cuiabá. Ela veio visitar a mãe e decidiram aproveitar o domingo no restaurante Trapiche, no lago do Manso. Antes de irem, ligaram para perguntar se a área de lazer estava funcionando normalmente, e tiveram uma resposta positiva. Chegando no local, os visitantes foram até um quiosque e entraram na água, onde permaneceram por um tempo. Foi só quando o tempo fechou que um funcionário veio avisar que o local “tinha piranhas naquele horário”. O funcionário orientou a família a tomar banho dentro de um espaço com grade de proteção.

A mãe de Isadora havia ficado na água por um longo período junto com os netos, uma menina de três anos e dez meses e um menino de nove meses. Depois do almoço, ela voltou para a água, desta vez dentro da área que o funcionário havia dito que era segura.

“Quando vi que minha mãe estava ameaçando sair [da água], minha filha foi se lavar na água para tirar o grosso da areia. Minha filha foi até minha mãe, e na hora que já estava todo mundo lá o funcionário falou pra mim que uma menina de 11 anos tinha sido mordida algumas horas antes. Eu tirei minha filha, fui terminar de lavar ela no chuveiro e minha mãe já estava saindo e foi mordida. Quando ela saiu da água o pessoal do restaurante fez os primeiros socorros. O pessoal do restaurante estava com ela e várias outras pessoas estavam indo para a água, vi que tinha um monte de criança para entrar e eu saí correndo pra avisar”, contou Isadora ao Olhar Direto.

Leia Também:  ROSÁRIO OESTE: Acusado de planejar execução e arrancar coração de jovem em Mato Grosso vai a júri popular, decide tribunal

Segundo a vítima, não havia nenhuma placa indicando que havia piranhas no local, e mesmo após sua mãe e a outra menina de onze anos terem sido atacadas, os funcionários não orientaram os presentes a saírem da área cercada com a grade de proteção. “Na segunda-feira eu mandei mensagem pro restaurante perguntando se estava funcionando normal, e eles falaram que era tranquilo, sendo que um dia antes duas pessoas haviam sido atacadas”, lamenta Isadora.

No dia seguinte ao ocorrido, o restaurante disse que era seguro ir ao local com crianças

Em nota, o restaurante disse que o ataque acontece porque a área fica na natureza. Também disseram que identificaram que a grade de proteção está quebrada, e será consertada em breve. Leia a íntegra:

Nota do restaurante

Somos uma restaurante à beira de um lago, ambiente de natureza, e deixamos isso bem claro quando nos mandam mensagens pedindo informações. Tentamos fazer o máximo possível para oferecer segurança aos clientes, porém não temos poderes divinos.

Assim como você pode ir a uma cachoeira e ser picado por cobra, ir à praia e ter tubarões, água viva.

É sabido, que em todo o lago tem piranhas. O lago é formado por rios da nossa bacia e nela tem piranha. Fizemos as telas numa forma de minimizar o risco e assim é.

Quando a criança foi mordida e não teve seu dedo arrancado como disse, imediatamente pedimos para todos saírem do cercado, inclusive a sua mãe e a mesma se recusou a sair.

Nesse dia, um grupo de rapazes subiram na tela e fazendo a vistoria verificamos que a grade foi quebrada, o que já providenciamos o conserto.

Lamentamos muito o ocorrido, não queremos que isso ocorra com ninguém, mas responsabilizar e ferir a imagem do restaurante por conta da imprudência da sua mãe, em não ouvir os garçons, não é correto.

Quanto ao pagamento dos R$ 50,00 reais de Day Use, este é cobrado pelo condomínio e não pelo restaurante. Mas todos também recebem essa informação antes de ir, podem ir ou não. A praia precisa de uma manutenção diária, é necessária limpeza, jogar areia, passar esteira, e muito mais, e isso tem gastos.

Estamos a 100 km de Cuiabá, nossa logística de funcionamento não é fácil. Temos em torno de 20 famílias que dependem desse negócio, e dão o sangue para que vocês cheguem e passem um dia agradável.

Famílias que atravessam aquele lago de barco dia e noite, deixam seus filhos, maridos, familiares para tirarem o seu sustento.

Nossos filhos crescem sem passarmos o final de semana com eles, para proporcionarmos isso a vocês.

É muito fácil criticar, postar nas redes sociais. Pessoas essas com fotos e postagens bíblicas em seus perfis, e hora de serem empáticas e agirem com amor ao próximo, jogam pedras.

E falo isso não só pela nossa empresa não, falo por todas. Aos que gostam de criticar, queríamos ao menos 1 mês cuidando e administrando tudo isso.

Se esse momento ao qual todos estamos passando, essa pandemia, não serviu para cada um ser uma pessoa melhor, nada mais faz sentido.

Fonte: Olhar Direto

 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CIDADES

Adolescente com mais de 7 passagens criminais é detido após ser flagrado vendendo drogas em Nova Mutum

Publicados

em

Por

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Caminhoneiro acusado de furtar carga de milho em Diamantino foi preso pela PM em Nova Mutum
Continue lendo

CIDADES

MATO GROSSO

POLICIAL

POLÍTICA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA

Add this code where the ad should appear:
Add this code before the tag: