conecte-se conosco


POLÍTICA

Dr. Eugênio alerta Estado sobre importância de tratamento contra a hanseníase

Publicados

em


Foto: ANGELO VARELA / ALMT

O Estado de Mato Grosso ocupa, de forma reincidente, o primeiro lugar no Brasil em casos de portadores de hanseníase. Em alerta ao grave problema de saúde pública, o deputado estadual Dr. Eugênio de Paiva (PSB) indicou, durante sessão plenária do dia 4 de janeiro, ao governador Mauro Mendes e ao secretário de Estado de Saúde (SES), Gilberto Figueiredo, a urgente necessidade de implementação de políticas públicas efetivas, em parceria com os municípios, para reverter esse quadro.

“Nós estamos no ‘Janeiro Roxo’ (campanha nacional de combate, prevenção e enfrentamento à hanseníase) e Mato Grosso carrega o título de campeão nacional de hanseníase. Um estado tão rico de estatísticas tão desastrosas que podem ser sanadas com políticas públicas efetivas no combate à doença. Hanseníase tem cura e o Sistema Único de Saúde (SUS) cobre todo o custo do tratamento. Portanto, não há motivos para que sejamos recordistas de pessoas doentes no Estado de Mato Grosso”, disparou Dr. Eugênio, da tribuna da Assembleia Legislativa de Mato Grosso.  

Leia Também:  Elizeu faz parceria com governo do estado e leva asfalto até a Ponte de Ferro

Com formação médica, Dr. Eugênio alerta que hanseníase quando não tratada ou tratada tardiamente, causa incapacidades/deformidades. “As mãos podem apresentar ferimentos; os olhos podem não fechar; pode haver queda dos cílios; o nariz pode visualmente modificar; pode ter rugas acentuadas; as orelhas podem estar modificadas; as sobrancelhas podem parcialmente desaparecerem; o pé pode ficar paralisado e com lesões tipo úlceras (feridas), recorrentes. São sequelas que podem ser responsáveis pela exclusão de muitos trabalhadores do mercado e convívio social”, explicitou o parlamentar na indicação.

Dr. Eugênio destaca a importância do governo do estado desenvolver um trabalho de força-tarefa não só para o tratamento, mas para prevenção da doença desde os primeiros estágios. “Ocorre que a negligência na prevenção, não sendo diagnosticada em fase inicial, é que causa de proliferação, já que é transmitida por meio das gotas eliminadas no ar pela tosse, pela fala e pelo espirro de uma pessoa com hanseníase, sem tratamento”, pontuou Dr. Eugênio, no alerta ao governo do estado.

Leia Também:  Após denúncia, ônibus escolar volta a atender assentamento de Novo Mundo
Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA

Presidente da CCJR promete audiências públicas para discutir projeto de repactuação do ICMS

Publicados

em

Por


Foto: Ronaldo Mazza

O deputado estadual Wilson Santos (PSDB), presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) da Assembleia Legislativa, vai convocar uma audiência pública para discutir a proposta do Governo de Mato Grosso de redistribuição do Imposto sobre Circulação, Mercadorias e Serviços (ICMS) aos municípios. A informação foi confirmada pelo parlamentar nesta sexta-feira (28).
A mensagem encaminhada ao Legislativo redistribui o imposto e prevê maior aporte aos municípios que apresentarem melhores resultados nas áreas da educação, saúde e meio ambiente. Trata da regulamentação de uma lei federal. Os municípios continuarão recebendo 25% do que o Estado arrecada. Mas as regras para aplicação deste percentual vão mudar.
Atualmente, 75% da parte que cabe aos municípios são destinados de acordo com o valor adicionado bruto (VAB). Ou seja, o valor que cada setor da economia (agropecuária, indústria e serviços) acresce sobre tudo que é produzido em uma região. Com a mudança, a porcentagem cai para 65% e o restante (35%) terá de seguir regras definidas pelo Estado.
“Os municípios não vão perder arrecadação. Quem fala isso está conversando fiado, porque o repasse do ICMS continuará o mesmo: 25% daquilo que o estado arrecada. Os municípios vão continuar recebendo o que recebem hoje, mas terão que aplicar melhor os recursos na educação, saúde e meio ambiente”, disse o governador Mauro Mendes. 
“Sabemos que o Governo está cumprindo uma determinação constitucional; é obrigado a fazer isso. O projeto [do ICMS] não chegou à Assembleia fechado, acabado. Vou propor, por meio  da CCJR, abrirmos o debate aos prefeitos, presidentes de Câmaras municipais e à sociedade em geral. Sabemos que 75% do que é arrecadado pertence ao Estado, mas os outros 25% são dos municípios. Será que é justo o Estado, que não é dono desse recurso, definir regras e critérios sem ouvir os donos do dinheiro, que são os municípios?”, indagou.
A proposta de audiência pública será apresentada na próxima reunião da CCJR, em fevereiro, após recesso parlamentar.

Leia Também:  Oitenta famílias de Poconé ainda aguardam a entrega das casas do residencial Guatós II
Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

MATO GROSSO

POLICIAL

POLÍTICA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA

Add this code where the ad should appear:
Add this code before the tag: